outubro 26, 2008

O que há...



O Que Há
Álvaro de Campos

O que há em mim é sobretudo cansaço —
Não disto nem daquilo,
Nem sequer de tudo ou de nada:
Cansaço assim mesmo, ele mesmo,
Cansaço.

A sutileza das sensações inúteis,
As paixões violentas por coisa nenhuma,
Os amores intensos por o suposto em alguém,
Essas coisas todas —
Essas e o que falta nelas eternamente —;
Tudo isso faz um cansaço,
Este cansaço,
Cansaço.

Há sem dúvida quem ame o infinito,
Há sem dúvida quem deseje o impossível,
Há sem dúvida quem não queira nada —
Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles:
Porque eu amo infinitamente o finito,
Porque eu desejo impossivelmente o possível,
Porque quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,
Ou até se não puder ser...
E o resultado?
Para eles a vida vivida ou sonhada,
Para eles o sonho sonhado ou vivido,
Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto...
Para mim só um grande, um profundo,
E, ah com que felicidade infecundo, cansaço,
Um supremíssimo cansaço,
Íssimo, íssimo, íssimo,
Cansaço...
Poema do meu escritor favorito,Fernando Pessoa.
Álvaro de Campos é um de seus heterônimos mais conhecidos.

Sobre Álvaro de Campos:
A maior característica de seus poemas é o uso de onomatopéias exageradas e aliterações ousadas.
Poemas muito extensos ou muito curtos.
Fernando Pessoa sobre Álvaro de Campos:
"Eu fingi que estudei engenharia.Vivi na Escócia.Visitei a Irlanda.Meu coração é uma avozinha que anda Pedindo esmolas às portas da alegria."
Curiosidades:
Fernando Pessoa fez uma biografia para cada um de seus heterônimos.
São eles Alberto Caeiro,Ricardo Reis e Álvaro de Campos,os quais serão citados mais vezes nesse blog.




*Postado por S.

Um comentário:

por B. disse...

Fernado Pessoa foi um escritor brilhante. Inventou três heterônimos e criou estilos diferentes para cada um. Isso não é para qualquer um. É preciso dar mais valor à leitura, e descobrir o quão prezerosa ela é.
No nosso blog vamos lhe ajudar com isso. Vamos falar um pouco mais sobre os autores e dicas de livros.
Divulgue esse blog.

Na leitura nós temos a capacidade de nos descobrirmos e redescobrirmos.
Como já dizia Fernando Pessoa:

"O verdadeiro sábio é aquele que assim se dispõe que os acontecimentos exteriores o alterem minimamente. Para isso precisa couraçar-se cercando-se de realidades mais próximas de si do que os fatos, e através das quais os fatos, alterados para de acordo com elas, lhe chegam."