outubro 24, 2009

Travesseiro Molhado


TRAVESSEIRO MOLHADO

Deitado na cama,

As lágrimas rolam,

Molha o travesseiro,

A saudade reclama,

E as palavras me faltam,

Pois sua lembrança,

Vem-me o tempo inteiro,

Sinto-me uma criança,

Crescer talvez não quero,

Mesmo sem te ter,

Sinto-te aqui bem perto,

Não posso te perder,

Pois esse amor sincero,

É que me faz viver.


Wendel Araújo

Um comentário:

António Gallobar disse...

Belissimo poema parabens