outubro 27, 2008

Orgulho Americano


No próximo domingo, dia 1° de novembro de 2008, acontecerão nos Estados Unidos as eleições presidenciais. Será um evento coberto pela imprensa mundial e que na verdade faz jus a todos nós. Afinal estamos falando de quem vai governar o mundo pelos próximos quatro, ou quem sabe oito anos.

Mas não quero falar sobre os presidentes americanos, e sim sobre o orgulho desse povo que se diz a maior potência mundial. No Brasil as eleições terminaram no último dia 26, e a praticidade na apuração é impressionante. Graças a uma tecnologia nacional, desenvolvida pelos próprios brasileiros. A urna eletrônica revolucionou as eleições. Já chegamos até a exportar essa tecnologia para outros países. A facilidade e simplicidade é tanta, que em uma ou duas horas depois do término das eleições, já se sabe quem venceu.

Os Estados Unidos nunca quiseram importar nossa tecnologia. O orgulho é tanto que eles preferem passar das contando cédulas de votos, do que se rebaixar a pedir ajuda de um país de terceiro mundo. Já tentaram construir urnas eletrônicas, mas nada se compara às nossas. Pois as que eles construíram, além de não funcionarem perfeitamente, são enormes. Já a urna eletrônica brasileira e pequena e simples no manuseio.

Esse orgulho histórico deixa as eleições americanas, mesmo sendo altamente policiadas, muito suscetível a fraudes. Ou então, quando se acha ter um erro na contagem das cédulas, é preciso levar mais alguns dias de labuta na contagem. Como um país tão avançado pode ter um sistema de votação tão primitivo? Orgulho.

E não é só em termos de eleições que coisas do tipo acontecem. Claro que não podemos generalizar, pois existem muitas parcerias com outros países mais pobres, em diversas áreas. Mas os americanos querem que o resto da população mundial seja igual a eles. Querem que nossas roupas, nossa comida, nosso lazer, nossa língua, enfim, querem que tudo seja igual à deles.

Mas o tempo passa e o rei perde o trono. Os Estados Unidos não vão ser os donos do mundo para sempre. Já se acredita que a China será a maior potência em cerca de quarenta anos. Afinal, o mundo nunca foi somente governado pelos Estados Unidos. Para nós que vivemos nessa época isso pode parecer estranho, mas já tiveram outras “superpotências “ que colocaram a coroa na cabeça.

Bem, relembrando tempos não muitos remotos, o mundo já foi controlado por vários impérios na Antigüidade. Mais “recentemente”, na Guerra Fria, o governo mundial ficou bipolarizado, entre os Estados Unidos e a União Soviética. Os americanos só conseguiram se estabelecer como maior potência depois da Segunda Guerra Mundial.

Então esse orgulho é sem sentido. Além de tudo, acredita-se que por volta de 2050 os Estados Unidos estarão em quinto lugar como maior potência, perdendo para quatro países que são emergentes hoje. Dentre eles o Brasil! Especialistas acreditam que o Brasil pode vir a ser a segunda maior potência.

O orgulho americano é tanto, que eles se tornaram pessoas fechadas, até consigo mesmas. Eles não se cumprimentam nas ruas, não se abraçam para demonstrar afeto. São pessoas duras. Isso porque pensam somente em si mesmas, em serem cada vez melhor, e superarem o mundo. E esquecem de dizer um oi. Quando isso acabar, como é que vai ser? Você já imaginou o mundo sendo governado por outro país. Já imaginou ter outra moeda nas transações financeiras? Já imaginou ter outra língua tomada como universal? Pode ir se acostumando, porque o futuro está próximo. E veremos a queda da “grande potência”, o que já está se tornando fato, devido à grande crise mundial que estamos enfrentando.

Por: B.

Um comentário:

S. disse...

Os EUA é sim uma grande potência.
Porém,um merito que não ultrapassa do quesito "economia".
Não existe uma grande potência em cultura e beleza como nosso Brasil.
Nossas praias,nossa natureza.
Até isso eles querem nos tomar.
Mas é nosso!!E isso ninguém tira!!

"Nossos bosques têm mais vida,
nossa vida mais amores..."

Canção do Exílio - Gonçalves Dias